Notícias

Sebrae: pequenas empresas que adotam programa de compliance estão alcançando novos mercados

07/01/19

imagem da noticia

Pesquisa do Sebrae mostra que quase 80% dos empresários brasileiros gostariam de ter seu negócio reconhecido por essa prática

Interessados em expandir mercado para negociar com grandes empresas e com o governo (nos três níveis), os pequenos negócios estão atentos sobre adoção de ações de integridade e ética para ampliar vendas, além de contribuir com a imagem da empresa perante clientes e a sociedade. Uma pesquisa do Sebrae mostrou que 36% das micro e pequenas empresas (MPE) brasileiras já vendem para grandes corporações e esse contingente pode dobrar com outros pequenos negócios (36%) que ainda não vendem, mas gostariam de começar a negociar com esse mercado. Quanto às vendas governamentais, o mesmo estudo apontou que 24% das micro e pequenas empresas já vendem para União, estados e municípios e 35% ainda não negociam, mas desejam começar a fazê-lo. 

Nesse contexto, os donos de pequenos negócios têm observado que a adoção de programas de ética e integridade está deixando de ser uma simples questão de construção da imagem da empresa para se tornar uma pré-condição para conquista desses mercados. Cada vez mais o mercado (governos estaduais e grandes empresas privadas) está impondo aos pequenos negócios a adoção de Programas de Integridade como requisito para fechar contratos, como é o caso dos governos do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e do Distrito Federal que já contam com legislação nesse sentido.

Na mesma linha, dentro de uma lógica de responsabilidade solidária, as grandes empresas também estão começando a demandar, em maior ou menor grau, a adesão dos seus fornecedores a programas de integridade, definindo em contrato o compromisso com o código de conduta do contratante e postura anticorrupção. É o que vem sendo praticado pela maioria das empresas ganhadoras do Prêmio Pró-Ética, do Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União (CGU), entre a SIEMENS, NATURA e UNIMED e também pela PETROBRÁS a partir do seu GRI (Grau de risco de integridade), que é como avaliam seu cadastro de fornecedores.

Segundo a pesquisa do Sebrae, realizada com 2 mil empresas (ME e EPP), o combate à corrupção e a implementação de um programa de conduta (Programa de Integridade) para reger as relações da empresa com clientes e fornecedores (públicos e privados) são questões que estão cada vez mais presentes na agenda dos donos de pequenos negócios no Brasil. O estudo mostra que quase 80% dos empreendedores gostariam de ter sua empresa reconhecida por contar um programa dessa natureza e a maioria dos empresários (70%) que ainda não têm um programa interno com esse propósito, considera importante adotar essa política.

Embora o nível de conhecimento das MPEs sobre o tema da “integridade” ainda seja baixo (cerca de 2/3 dos empresários não sabiam que os Planos são cada vez mais demandados por grandes empresas e pelo governo), os donos de pequenos negócios - ao tomarem conhecimento do assunto – atribuem uma nota elevada à importância de aderir a essa prática. 8,2 é a nota média dada pelas MPEs à importância da incorporar uma política de compliance (em uma escala de 0 a 10).

Entre os donos de pequenos negócios, os mais jovens (com até 34 anos) são os que demonstram maior interesse em expandir suas vendas para grandes empresas e para o governo. Ao mesmo tempo, esse grupo de empreendedores são os que demonstram maior interesse em implantar Programas de Integridade em seus negócios.

( Fonte: SEBRAE: https://goo.gl/oHKgLu )

Notícias

31/01/19
Justiça determina transferência da titularidade de domínio na internet
31/01/19
STJ - Obrigação de pagar alimentos não pode ser transferida ao espólio
08/01/19
CGU concede novo prazo para órgãos federais criarem programas anticorrupção (compliance)
07/01/19
Compliance avança em Santa Catarina: novo governo do Estado institui Secretaria Executiva de Integridade
13/12/18
Medidas de compliance, anticorrupção e integridade evoluem nas empresas, aponta pesquisa
07/12/18
OAB Nacional e entidades lançam Guia sobre Compliance no terceiro setor

Veja mais